Jerome Lereculey – Ser Illustrateur

Vamos falar de mais um desenhador francês.

Sua estréia no Brasil foi com a publicação da excelente Arthur: Uma Epopéia Celta que CRIMINOSAMENTE ficou incompleta por aqui! Uma excelente BD que narrava a história já recontada mil vezes do Rei Arthur, mas desta vez muito mais bacana e visceral.

Lereculey é famoso na terra do brioche pela sua perícia em desenhar BDs de fantasia medieval e já tem umas boas tantas no currículo. Seria uma boa trazer os trampos do cara para o Brasil, aproveitando esta moda de Guerra dos Tronos e com a volta de Senhor dos Anéis.

Trampo do cara segue abaixo!

Barry Windsor-Smith – Weapon W

I’m too sexy for my shirt… too sexy for my shirt!

Esse cara, com nome de marca de aquarela, é um dos grandes desenhadores dos quadrinhos norte-americanos. É meio das antigas, mas ainda vale: muito! Ficou conhecido principalmente por ter desenhado Conan e a famosa miniserie do Wolverine: Arma X (alias a ÚNICA origem do Wolverine que importa!) ou seja: sabe fazer homem marombado! Mas pelo menos as marombas dele são bem naturais e legais de se ver.

Veja abaixo algumas de suas pranchas, incluindo duas de um projeto dele de lendas e fábulas.

Alex Ross – Aquarela Patriotica

Vou te contar um segredo: eu não curto Alex Ross não.

Mas não posso deixar de tirar o chapeu para o trampo dele. Embora ele quase só desenhe super heroi e use umas cores muito saturadonas… eu ainda gosto da tecnica de aquarela do mano. Só acho seus temas e seu modo de fazer a arte… digamos assim… boring!

Por isso não irei postar aqui as artes pelo que ele é mais famoso: supers. Prefiro postar aquilo que eu considero como o melhor trampo dele até hoje. A HQ pintada Tio Sam. Uma das poucas publicações americanas dos anos 90 do século passado que ousava falar mal do American Way Life (hoje em dia isso ficou muito comum!) em plena década em que a “história parecia ter acabado” e que finalmente os Estados Unidos eram os foderosos indestrutíveis.

Ah, como o mundo dá voltas!

Renato Guedes – Supertracer

Vamos falar de mais um brazuca que manda bem no riscado.

Desta vez é Renato Guedes, o quadrinista que conseguiu fazer o que pouco desenhadores são capazes quando se atrevem a desenhar o Superman: deixá-lo real! Nas mãos deste super-herói do traço  a supergirl parece uma garotinha bonitinha e meiga, apesar da sua força capaz de demolir prédios. Nada de artificialidade… nada de maromba forçada… aqui tudo é muito orgânico e real.

Só vendo as artes para crer!

Edu Francisco – Vitória sobre o Mestre

Hoje vamos ter um repeteco do trampo de Edu Francisco. Desta vez com as páginas que ele fez para o segundo volume da mini-serie Victory, época em que seu traço começou a ganhar mais personalidade e a se libertar da influencia do Madureira. Claro, eu prefiro o traço dele de HOJE mas este estilo bem cartunizado também é legal.

Alias outro detalhe que eu achei bem legal é que ele faz os balões nas páginas também e cada personagem tem um balão com borda especial! Muito engenhoso!

Babem nas pranchas abaixo!

David Petersen – Rei dos Ratos

Lembra-se das fábulas de animais? Daqueles contos aparentemente bobos sobre “Rato do campo e da cidade” sobre “Cigarras e formigas” sobre “A raposa e as uvas” e todos os outros?

Pois bem, David Petersen traz este espírito de volta numa repaginada com sua Magnum Opus: Mouse Guard. A saga de ratinhos que precisam enfrentar perigos enormes (literalmente, já que são minúsculos!) num mundo hostil onde são presa fácil da maioria dos predadores (ou seja, o mundo real!). Mas para defender os pobres e oprimidos, surge a Guarda Rato, um grupo de valentes pequenos mamíferos que empenham sua vida a proteger seus semelhantes.

A história, no entanto, não tem nada de infantil. É coisa séria: mortes, sangue, decapitações, intrigas e traições. No mundo dos ratinhos certos indivíduos são verdadeiros ratos! (tah-dah!) Mas existem também os nobres e corajosos, os pequenos heróis da raça sinantrópica.

Vejam mais detalhes sobre este universo aqui http://www.mouseguard.net/ e admirem as artes do cara!

Ben Templesmith – Cor e Caos

A primeira vista o trampo deste cara parece malfeitinho pra diabo.

Mas tem vida!

A primeira vista as cores que ele usa parecem um misto de simplicidade e exagero no mal sentido.

Mas tem alma!

Este cara não é para todos os gostos, o que é ÓTIMO! Um australiano doidão que faz excelentes e cativantes trabalhos com seu traço único e cheio de expressividade. Um dos seus trabalhos que eu mais gosto foi o trato que ele deu na hq Fell, publicada aqui no Brasil. Um volume apenas, por enquanto – até que o cuzão do Warren Ellis (o roteirista) decida continuar a saga. Ficou famoso desenhando 30 Dias de Noite, que é uma hq… bem… passável! Uma história boa, mas que só se sustenta em um volume, não sei por que decidiram estender tanto.

Bom, o que importa aqui é a arte, certo? Confiram logo abaixo as pranchas do cara!