Will Eisner – O Espírito dos Quadrinhos

Tava demorando, né?

Demorando demais!

Vamos falar do primeiro cavaleiro andante dos quadrinhos, o primeiro que não apenas se tornou um dos grandes mestres da área como foi o defensor da causa, elevando este maravilhoso passatempo como aquilo que ele merecia ser reconhecido: Arte!

Mestre da expressão física e corporal, ele é a amálgama de tudo o que o quadrinho americano é bom (ou pelo menos foi, porque as porcarias que andam em voga aí eu vou te falar…). Nunca foi artista de super-heróis descabeçados e artificiais, criando Spirit, um dos poucos heróis que realmente valem a pena ser lidos. Porém é nas suas obras em retratar o cotidiano que ele passava a pica na graxa, na areia e depois metia no rabo de todos os outros! Inclusive um dos trabalhos que eu mais gosto dele é a autobiografia (embora ele não admita abertamente) O Sonhador, uma obra que narra as desaventuras de um quadrinista da década de 30. Não há desenhista neste mundo que não se identifique com a obra!

Tudo que ele desenhava tinha um vigor extraordinário, mas particularmente o que mais me impressiona na obra dele são os prédios. O cara era mestre em desenhar este tipo de construção, mas não prédios bonitinhos e assépticos: cortiços sujos e cheios de alma. Quebrados. Desalinhados. Belos!

Ah, chega de falar! Vamos ver o trampo do cara!

Gradimir Smudja – Belle Art

Olha o time da Sérvia estreando no nosso blog aí gen-tim!!!

Gradmir Smudja é um daqueles quadrinistas que ninguém conhece. Ouviram, hipsters?

Aqui no Brasil ele teve duas obras publicadas: Vicent e Van Gogh, uma divertida sátira tragicômica da vida do grande pintor homônio (que acaba de ganhar um volume 2) e O Bordel das Musas, que fala da vida de outro grande pintor: Toulouse Lautrec. Infelizmente a editora que publicou ambos os albuns, a Zahar, só lançou o primeiro numero das series e nos deixou no vácuo. RECLAMEM!!!

E vejam abaixo as pranchas foderosas do homem! E vejam como ele emula o estilo de pintura dos próprios artistas cuja vida ele transformou em quadrinhos!

Gaetan Henrioux – Beaux-arts

Vamos falar de um pintor contemporaneo. Um maluco que acredita que pintar telas em pleno século XXI dá grana. E se depender do talento do cara dá para amarrar uma meia-dúzia de burricos debaixo do quiosque fácil, fácil.

O maluco é Mounsier Gaetan Henrioux. Talvez por ser francês ele ainda curta muito esse lance de arte tradicional, mas seus temas estão longe de serem tão manjados. O cara manda muito bem em pinturas de situações cotidianas modernas, como você irá conferir logo abaixo e no site do cara ==>http://homepage.mac.com/gaetan.henrioux/Sites/index.html

Tre bele!

Milo Manara – Putaria!

Opa! Agora vai, heim?

Se você gosta de acessar o DESENHA, PORRA! só para clicar na tag +18 então desta vez você estará bem servido. Falamos hoje de Milo Manara, italiano safadão e um dos mestres da arte erótica em quadrinhos que, imagino eu, dispensa apresentações.

Não sabe quem é o cara? Oh bem… foda-se! Apenas aprecie as artes, porque gente que fala muito na hora H é irritante!

E um pequeno brinde!

Clica AQUI e veja “A História do Mundo por Milo Manara”. Dezenas de ilustras só de putaria e violência… do jeito que o mundo realmente é!

Shaun Tan – Senhor da Imaginação

Vamos falar de mais um mestre – não só do traço como das ideias. Um cara que eu não conhecia e acabei descobrindo totalmente ao acaso ao folhear uma das suas obras mais espetaculares: The Arrival e que TODOS que se dizem desenhistas deveriam comprar: é maravilhosa!

Aqui você encontrará outras ilustras deste australiano que… rapaz! Tem uma obra de cair o queixo, como você mesmo irá conferir logo abaixo! Seja no traço acadêmico ou no cartunesco ele arrasa!

Dan Witz – WTF?!?

Hoje vamos falar pela primeira vez de um grafiteiro. Embora no fundo não seja exatamente grafite o que ele faz… por isso  vamos usar o termo “arte urbana”.

Este cara faz pinturas com um realismo extremo e cuidado impecável! Seja dentro de um estúdio ou seja colando-as na rua, numa espécie de intervenção modernosa, ele arrasa! Particularmente prefiro as pinturas mais tradicionais, cujos temas são sempre situações “cráudeadas”, ou seja: cheias de gente! Mas a arte urbana do mano é ótima também – cujos dois temas mais recorrentes são “coisas atrás de grades” e intervenções em placas de trânsito.

Confira abaixo e veja como ambos se misturam! E láááá embaixão assista a um video do maluco (que se chama justamente W.T.F.!)

Simone Beatriz – Perserverança

Já faz um tempinho que não falamos de brasileiros, né? Então vamos falar de uma com um traço Mara! Alias, foi graças a ela que eu descobri que sim, existem brasileiros que podem desenhar tão bem quanto os gringos.

Foi no longínquo ano de 2002 (caralho, dez anos!) que eu encontrei na banca o mangá Oiran, da natimorta editora Hant. Foi um susto para mim descobrir que aquela obra BELÍSSIMA era feita por brasileiros, ou melhor, brasileiras: o Studio Seasons – mais especificamente Montserrat no roteiro (que era um roteiro BEM superior às porcarias que a maioria dos tupiniquis fazem em quadrinhos) e Simone Beatriz na arte. E que arte!

Infelizmente por causa da merda que é o sistema editorial brasileiro a revista morreu na primeira edição, mesmo depois de ter vendido bem. E até hoje muitos fãs (como eu) esperam que a obra volte a vida. E talvez realmente volte agora, com as senhoras do Studio Seasons trabalhando para a editora New Pop.

Veja abaixo algumas artes belíssimas de Oiran e confiram o site oficial das senhoras ==> http://www.studio.seasons.nom.br/  infelizmente elas demoram MUITO para atualizar, mas tudo bem! De pouquinho e pouquinho se vai longe, como a perspectiva de Oiran, ENFIM, sair completo depois de mais de dez anos! E valerá a pena!

…e abaixo uma amostra da belíssima adaptação do romance Helena, de Machado de Assis, pela moça. Para mostrar que mangá não é só samurai.