Lee Miller – O Clique na Guerra

Fotógrafos não são o supra-sumo do blog, mas quando aparece alguém que vale a pena comentar, aí está!

Elizabeth “Lee” Miller, Lady Penrose iniciou sua carreira como modelo nos anos 20 do século passado, porém ela descobriu que tinha mais talento do outro lado da lente. Foi para Paris e começou sua carreira de fotógrafa, inicialmente dando clicks em outras modelos como ela, mas tudo mudou quando ela virou repórter fotográfica durante a Segunda Guerra Mundial.

Seu trabalho foi muito elogiado por mostrar frames da guerra que as pessoas não estavam acostumadas a fazer. dando um lado humano à barbárie e ressaltando a lua dos civis ao invés da brutalidade dos soldados.

Algumas destas belas fotos – inclusive algumas em que a própria aparece – você pode conferir logo abaixo!

Salvador Dalí – Loucão!

Um classicão que há muito, MUITO tempo já devia ter aparecido por aqui! Bem, antes tarde do que nunca!

Hoje vamos apreciar as pranchas maluquetes de um zuado mais maluquete ainda, señor Salvador Domingo Felipe Jacinto Dali i Domènech, mais conhecido como “feladaputa doidivasso Dalizão”!

Este cara era uma figuraça! Não apenas se notobilizou como pintor das coisa doida do movimento surrealista/dadaista/cubista, mas como também trabalhou com filmes, fotografia, escultura, teatro… o cara era mitão das artes e costumava incomodar bastante seus colegas por ser considerado muito “estrelinha”, com seu bigodão estiloso e tals.

Você vai conferir neste post não apenas fotos de algumas de suas belas obras, mas também algumas fotografias maneirosas do maluco que, por si só, fez da sua própria personalidade excêntrica uma obra de arte. Dá um confere abaixo!

E agora, chegou a hora das foténhas do nosso mestrão!

… alias, tem mais foto que as artes dele mesmo, heh! Que cêfodassi!

Dalí vai mostrar nelas que, mesmo sendo um véio catalão esquisito, ele ainda é muito mais dadivoso que você!

Margaret Bourke-White – Pioneirismo que dá gosto

Hoje vamos conhecer uma fotógrafa americana conhecida por ter sido a pioneira em muitas áreas!

Madame Bourke-White foi a primeira fotógrafa da consagrada revista Life e da revista Fortune. Também foi a primeira mulher estrangeira a ter permissão de fotografar o território soviético, em 1930. Ela também foi a primeira a estar no front da batalha da Segunda Guerra Mundial, fotografando em primeiro lugar os campos de extermínio. Bourke-White também fotografou de forma muito realista os primeiros anos da Grande Depressão nos Estados Unidos e…

É tanto primeiro lugar que fica difícil falar de todos! Portanto, vamos só curtir os cliques da mulher!

Francesca Woodman – Fotografia Assombrada

São muitas as histórias trágicas de grandes talentos artísticos que se perderam vítimas da autodestruição. Hoje, vamos conhecer uma jovem fotógrafa que abreviou sua curta vida com apenas 22 anos, deixando para trás um rastro de fotos assombradas: Francesca Woodman.

A jovem começou a clicar com 13 anos e se especializou em fazer retratos (muitos deles com ela própria) de cunho misterioso, documentário e semi erótico. Ela se formou numa escola de artes na Itália e vivia rodeada de artistas e seus excessos nos estranhos e depressivos anos 70.

Francesca não deixou bilhete de suicídio, de modo que o verdadeiro motivo do seu ato permanecerá um mistério – assim como suas fotos.

Francesca-Woodman

1-heart-shaped-bricks-ii-greg-allum

cat Francesca-Woodman_1 Francesca-Woodman_2

0a

Francesca-Woodman_3 Francesca-Woodman_9 Francesca-Woodman_11 Francesca-Woodman_12

0b 0c 0d 0e 0f 0g 0h 0i 0j

Francesca-Woodman_13 Francesca-Woodman_14-600x601 Francesca-Woodman_16 Francesca-Woodman_17 Francesca-Woodman_18 Francesca-Woodman_21 Francesca-Woodman_22 Francesca-Woodman_25 Francesca-Woodman_26 Francesca-Woodman_29 Francesca-Woodman_32 Francesca-Woodman_37

0l

0m

Wallace Berman – Beat Designer

Apesar de terem sido eventos tristíssimos, poucas coisas contribuíram tanto para a evolução artística, médica e tecnológica no mundo do que as duas grandes guerras mundiais.

Enquanto nos anos 20 e 30 tivemos a revolução da “Flaming Generation”, nos anos 40 e 50 conhecemos a “Beat Generation” – jovens, alguns deles veteranos de guerra, que perceberam que o mundo antigo precisava mudar com urgência. Eles cantaram a poesia e a liberdade de expressão acima do som das metralhadoras, permeando os primeiros anos da Guerra Fria com uma estética intimidadoramente nova e provocante.

Nos Estados Unidos, houve muitos baluartes desta época. Um deles foi Wallace Berman, que revolucionou a arte visual do país, abrindo caminho para a Pop Art e para outros revolucionários nas décadas seguintes.

Seus trabalhos misturavam foto, tipografia, poesia escrita e outras mídias para compor peças que influenciaram todos os “descolados” nas artes até os dias de hoje. Até mesmo os Beatles lhe prestaram uma homenagem no album Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band, onde uma foto dele aparece acima de george Harrison, próximo ao Tom Curtis.

Confira abaixo algumas obras do maluco e perceba o quanto ele ainda influencia a arte visual até hoje.