Joe Madureira – Porraaaaaaada!

O blog tá acabando, porra! E o Madureira não pode faltar!

Este maluco foi um dos mais influentes desenhadores de comics americanas influenciado pelo traço japonês. Sim, o traço dele, apesar de mostrar marombadões bem ao estilo americano, tem um dinamismo semelhante ao mangá, além dos olhões grandes e takes de câmera ousados.

Ele se destacou, primeiramente, quando desenhou Uncanny X-Men mas notobilizou-se de vez com sua criação, o jamais finalizado Battle Chasers.

Alguns podem achar o estilo dele exagerado, mas dentro do estilo o cara desenha MUITO, como vocês vão conferir aí embaixo!

Phobs – Belos Traços

Eu não poderia encerrar o blog sem fazer um repeteco do genial Phobs aqui no blog.

Este cara desenhou, por muito tempo, artes geniais misturando o traço das W.I.T.C.H.s com personalidades histórias da segunda guerra. Agora ele trabalha num quadrinho próprio chamado “Major Thunder” (na verdade, um nome em russo que não consigo reproduzir aqui).

Como podem ver, o trampo do cara evoluiu ainda mais! Confira!

Roberto Innocenti – Livros Imortais

Nem todo ilustrador e bom pintor, assim como nem todo pintor é bom ilustrador. Mas existem aqueles que são bons em ambos os campos.

Mestre Innocenti é um deles! Este italiano autodidata começou trabalhando em estúdio de animação, pintou quadros e, por fim, começou a trabalhar com ilustras para o mercado editorial. É possível ver em suas pranchas uma grande influência de pinturas clássicas – que dão um clima ainda mais bonito às suas ilustras de clássicos da literatura, como Pinóquio, Cinderela, Bela Adormecida, um Conto de Natal e vários outros!

Dá um confere nas telas dele abaixo!

Riccardo Federici – Camada por Camada

Tem muitos artistas de comics que são fodas pra caralho… quando ficam “soltos” e podem fazer o seu trabalho com todo o tempo de dedicação que merecem dispender.

Mestre Federici é um deles! O cara faz diversos trampos, tanto para o ramo editorial, como commissions particulares e trabalho publicitário. O cara é foderosão com materiais “analógicos”, o bom e velho lápis, papel, borracha e tinta. O que eu mais curto ver das pranchas deles são as ‘work in progress’, quando ele mostra o passo a passo do desenvolvimento de uma ilustra.

Se eu curtir, garanto que vocês vão curtir também! Dá um confere abaixo!