Corrado Roi – Escurecendo

Ainda estamos na vide de fumetistas aqui! E quem vamos conhecer agora é mestre Roi.

O cara possui um traço que não é tão comum com o estilo “limpo” e o traçado mais tradicional os autores deste gênero. Como podem conferir abaixo, ele curte uns esfumados e uns efeitos diferentes. Seu trabalho mais conhecido é com Dylan Dog, onde ele deixou transparecer mais o seu estilo pessoal.

Confere aí as pranchas do cara.

Kris Kuksi – A Loucura nos Detalhes

Eu já conhecia o trampo bizarro de Kris Kuksi desde a primeira vez que eu tinha entrado no deviantart, há uns dez anos atrás (porra, muito tempo…). A galeria antiga se foi, mas o trampo deste cara continua por lá. De fato, está por toda a parte!

O seu estilo de esculturas mistura um pouco de realismo fantástico com coisas BEM perturbadoras. São peças feitas com muitos detalhes, que fazem a galera dançar os olhos pelas suas obras por vários minutos e, a cada novo momento, descobrir algo mais bizarro.

Apreciem uma amostra deste trampo malucão logo abaixo!

Kelley Jones – Heróis Sombrios

Quando, pela primeira vez eu comecei a comprar quadrinhos de super heróis, (época dos velhos “formatinhos” da editora abril, uma época em que a gente nem se incomodava com frescuras como capa dura e qualidade de papel) eu conheci um cara dono de um traço que me deixou vidrada: Kelley Jones!

O mano tinha um traço mais sombrio, com grandes e dramáticos contrastes, puxado para os quadrinhos de terror. Eu adorei instantaneamente! Curtia muito o Batman das “orelhas gigantes” que ele desenhava. Achava – e ainda acho – o estilo muito foda!

Voltei a ver a arte dele quando conheci Sandman e achei mais fodona ainda! O modo como ele faz os mantos esvoaçantes é muito legal! Hoje ele não aparece mais tanto nos quadrinhos, mas seu trabalho ainda é demais! Dá um confere!

Simon Bisley – Bye bye

Bão, galera… este é o último post do nosso habitué Simon Bisley.

Estamos chegando no limite permitido de arquivos de midias alocados aqui. Éééééé… postar imagem bonitona e em boa qualidade consome uns bons bits!

No entanto, mesmo quando as postagens pararem, o blog continuará no ar – embora com estas políticas loucas do wordpress, não custa nada a moçada salvar as imagens que gosta mais por precaução, né? Por isto não fiquem (muito) tristes.

E chega de xororô, vamos ver a última leva de pranchas do mestre Bisley aqui no blog!

p_0011 002 4APaA4zL_3006150833161 13c-issue1-pg2+3-copy-Large-1024x796 15 119436_20080214231753_large Angur-Frostbeard-By-Simon-Bisley bad-boy BB51 bisley sincity Bisley The Tick Bisley

Megan Olkers|Simon Bisley draws Simon Coldwater fighting|Simon Coldwater|simon coldwater

Simon Coldwater vs the Sassy Assassins|Simon Bisley draws the epic battle between Simon Coldwater and the Sassy Assassins|Simon Coldwater|simon coldwater

Double nunchuks|Double nunchucks and big boobs, my favorite combinantion|Simon Coldwater|simon coldwater,boobs,female

bizdoom bizpaintlarge blizzard_via_staples Candace coldsamurai-773x1024 comic1_page11

Conan painted by Simon Bisley|One of the greatest paintings of Conan. |Pinups|conan,1995,sword,birds

Convention_Cover Lingerie-kickboxer mary-reed MP MP_Splash n1oPqTT9_0907150656361

Capas – Kripta/Eerie

Nos Estados Unidos havia um gênero de quadrinhos que fazia um baita de um sucesso entre a pirralhada: quadrinhos de terror!

Nos anos 40 e início dos 50 eles vendiam igual água, mas infelizmente o abastecimento foi cortado: uma caça às bruxas aos quadrinhos aconteceu e este gênero foi acusado de perverter e traumatizar as crianças. Vixe! E por isto, para o gênero não morrer de ver, os editores tiveram que fazer uns paranauê.

A Eerie foi publicada em 1966 nos Estados Unidos carregando o rótulo de “revista” e não de “quadrinhos”, uma forma de driblar a censura. No Brasil, a sua versão brasileira Kripta começou a ser publicada na metade dos anos 70 e fez um baita dum sucesso.

Você pode conferir abaixo algumas destas capas. Quem é colecionador de quadrinho da velhíssima guarda (ou paga de “vintage”) certamente vai se emocionar com estas ilustras fodas!

Capas – 2000 AD

No passado, as histórias em quadrinhos eram publicadas semanalmente nos jornais de domingo do mundo todo. Aos poucos, revista especializadas só em quadrinhos começaram a surgir e elas seguiam o padrão semanal ditado pelos jornais.

Muitos semanários surgiram no mundo todo, como o já comentado Shonen Jump e vários outros por toda a parte. Porém foram poucos os que sobreviveram ao passo das décadas e acabaram desaparecendo, esquecidos como um sistema antiquado de se publicar quadrinhos.

Mas alguns ainda resistem, como a 2000 AD, revista de quadrinhos britânica que continua firme e forte!

Abaixo, você vai conferir algumas capas desta incrível revista, que entre seus grandes personagens incluem Juiz Dreed, Slaine, Nikolai Dante e mais um vasto cabedal.

Entre os capitas destas edições se incluem alguns nomes que já apareceram aqui no blog e outros inéditos: Greg Staples, o atual habitué Simon BisleyCarlos Ezquerra, Mark Harrison, Simon Davis, Bill Sienkiewicz e vários outros. E este sitezinho aqui fala mais sobre as várias capas desta incrível revista!

Hiroaki Samura – Pesado…

O Japão é um dos países mais pacíficos do mundo. Embora, de vez em quando, ocorra umas merdas, ainda assim é muito seguro de se viver. Crimes de todas as espécies, sobretudo sexuais, são bastante raros por lá. das duas, uma: ou são as mulheres (e homens) que denunciam pouco os assédios sofridos, ou a japonesada gasta todas as suas perversões em mangas com temas como pedofilia, estupros e abusos.

Existe um grande mercado de artes pervertidas no Japão do qual até mesmo alguns nomes famosos se destacam. Um deles é Hiroaki Samura, autor de Blade of the Immortal, o cara é conhecido por fazer umas artes BEM pesadas nas horas de folga.

E o pior é muitas delas são lindas.

Da mesma forma que as pessoas têm uma curiosidade mórbida em espiar um cadáver estirado na rua, muitos também curtem olhar para estas imagens perturbadoras, embora não concordem com NADA o que elas representam (talvez em forma de denúncia?).

Mas este é o papel da arte, não é? Nos provocar emoções controversas, como na arte hiper realista e perversa de crianças feridas de Gottfried Helnwein. Agora, apreciem abaixo as pranchas (as mais leves!) de Samura: