Morgan Penn – Tá olhando o quê?!?

Retratos sempre são bem aceitos no mundo das artes. E cada artista sempre tenta colocar um pouquinho do seu toque pessoal para fazê-los diferentes da multidão.

Mestre Penn gosta de fazer vários retratos ao mesmo tempo, de várias pessoas numa única tela! E vários deles quebram a “quarta parede”, sempre olhando fixo para a pessoa que está observando a pintura, muitas vezes chamando, provocando ou ameaçando!

Abaixo, você pode conferir um pouco das musas assustadas, medrosas, mal encaradas e receptivas que ele desenha logo abaixo!

Henrietta Rae – Pincel Feminino

Hoje vamos conhecer uma das muitas vanguardistas do movimento girl power!

Senhora Rae foi uma pintora proeminente da era vitoriana, na época em que esta profissão ainda era estritamente masculina. Sua obra era especializada em alegorias clássicas e elementos subjetivos – além de alguns ocasionais retratos oficiais. É possível perceber que seu estilo era delicado e bem em volga no final do século XIX.

Confira abaixo as belas telas da moça!

Albert Joseph Moore – Era Antiga

Hora de conhecermos mais um classicão. Mestre Moore foi um pintor inglês notório por desenhar belas e lânguidas mulheres encenando a beleza e a decadência do mundo antigo.

Seus temas sempre giravam em torno da Grécia antiga, Roma, períodos folclóricos  e coisas do tipo, sempre com suas personagens relaxando ou apenas curtindo a vida com tranquilidade. A leveza do seu estilo cativava, assim como o alto detalhamento de suas pinturas, sobretudo no trato com os tecidos e com o cenário.

Você pode conferir a obra do cara logo abaixo!

William Hogarth – O Hipster dos Quadrinhos

Existem muitos artistas que, embora suas técnicas não fossem exatamente incríveis, eles se destacaram por estarem na vanguarda de movimentos artísticos e ideias revolucionárias. Mestre Hogarth aqui ficou conhecido por ser considerado, ainda no século XVII, o percursor dos quadrinhos!

Muitas das sua gravuras – e alguns de seus quadros – mostravam “antes e depois” de diversas situações cotidianas. Embora elas fossem carregadas da moralidade da época, eram realmente bem interessantes do ponto de vista artístico. Muitas delas tinham texto explicativo e em alguns até proto-balões de fala, na forma de pergaminhos saindo da boca dos personagens… era realmente um proto-quadrinhos!

Sem falar que seus quadros também eram revolucionários pelas suas honestas retratações do cotidiano. Ele também foi um dos primeiros a pintar retratos da “classe operária”, a qual este tipo de privilégio era negado pela falta de recursos.

Você pode conferir abaixo alguns de seus quadros e gravuras!

Jenny Saville – Retrato em fato

Hora de conhecermos mais uma pintora aqui no blog!

Jenny, essa dona doidona faz parte do ramo das pintoras que curtem pegar temas comuns, como simples retratos ou poses “slice of life” e fazer deles coisas perturbadoras. A maioria dos seus modelos são mulheres acima do peso, embora ela também use rostinhos e corpinhos bonitinhos para sua telas, mas nada fica “bonito” nas pinceladas dela.

E, ao mesmo tempo, fica tudo incrível! Veja!

saville1 saville2 saville3 saville4 saville5 saville6 saville7 saville8 saville9 saville10