Adam Warren – Nem Lá e nem Cá

Adam Warren foi um dos primeiros autores americanos que teve bolas suficientes para desenhar mangá numa época em que tudo que vinha do Japão era esquisito demais para os yankees puros e inteligentes que liam comics de super-heróis. Era zoado, caçoado e levado pouco a serio. Felizmente este quadro, aos poucos, foi mudando.

Apesar de seu prestígio ter aumentado ele ainda é considerado por muitos como um “quase mangaká”, alguém que não está nem lá e nem cá dos polos mangá/comics. Muitos perdem tempo tentando classificá-lo dentro de um destes nichos, debatendo por horas.

Honestamente? Fodam-se as classificações! O que importa é que o traço do cara e animal e merece ser publicado aqui! Ponto.

Rembrandt – Alma de Artista

Já foi num museu de arte?

É extraordinário! Você caminhar pelos corredores e observar todas aquelas artes… aqueles painéis e pinturas que foram feitos há trezentos… quatrocentos… mil anos, até! Estar tão perto de tocar na tela que os grandes artistas do passado tocaram tantas vezes. É foda! Infelizmente os museus tupiniquins não são os mais bem guarnecidos em termos de artes dos mais famosos, mas ainda dá para encontrar no MASP algumas pinturas menores do Rembrandt.

O cara nasceu nos paises baixos, que é tipo a Holanda e mais alguma coisa – o artista mais importante daquele lugar. Chamado de “o grande profeta da civilização” o cara era um dos maiores pintores do século XVII. Teve uma vida cheia de altos e baixos e apesar do grande prestígio que recebia morreu, como muitos artista da época, em dificuldades financeiras (êêê vidinha triste a nossa, heim?).

Sua arte marcou época e ainda é um dos grandes destaques em todos os museus que a encerra.

CLAMP – Mahou Shoujo Reais

CLAMP é o nome do quarteto formado pelas mangakas japonesas Ageha Ohkawa, Mokona, Tsubaki Nekoi e Satsuki Igarashi.

O grupo se notobilizou por vários trabalhos, entre eles Guerreiras Mágicas de Rayearth, Cardcaptor Sakura, X/1999, Tsubasa RESERVoir CHRoNiCLE, entre dezenas de outros. Dentre eles alguns dos mais conhecidos internacionalmente são do estilo “mahou shoujo” (algo como “garotas mágicas”, um gênero de mangá no Japão onde as protagonistas são menininhas que ganham poderes mágicos de fontes aleatórias).

Qualquer fulano(a) que seja fã de shojo mangá também adora estas quatro por tabela. Vejam algumas artes delas abaixo e descubram se vocês vão gostar também.

Adam Hughes – Beleza Feli(mini)na

Se existe algo que eu gosto no Adam Hughes é que ele sabe desenhar mulheres. Corpos utópicos, mas ainda assim mais verdadeiras que o bando de siliconadas de salto alto invisível que muito desenhador de comics insiste em nos vender.

A sequencia que você verá abaixo são as capas que ele fez para uma das encarnações da revista da Mulher Gato. Uma mulher forte, aventureira… e sensual, claro!

Robert McGinnis – Fêmea Fatal

Falamos recentemente do mestre Elvgren aqui no Desenha, Porra! Agora vamos mostrar o trampo de mais um punhete… digo, pinateiro! Robert McGuinnis!

Este cara também curte desenhar mulheres, mas as damas do senhor Ginnis são mais sombrias… mais decididas… mais “cabra macho”. Também pudera! Ele foi o ilustrador de vários posters da série de filmes do James Bond e por isso sempre fez “femme fatales”. Nada mal para quem começou trabalhando nos estúdios da Disney (sério!).

Sean Cheetham – Realismo Indie

Mano Cheetham é um destes cara que fazem pinturas hyperrealista que dá vontade de matar!

O cara adora humilhar com seus pinceladas, retratando a vida cotidiana de gente alternativa – tema que nunca sai de moda. Trampa numa destas universidade foderosas de pintura em Los Angeles e…

Falar o que mais? NÃO tem o que falar! mesmo! Só observar! Confiram o blog do puto http://seancheetham.blogspot.com.br/ e vejam abaixo uma amostra matadora de suas artes.